Páginas

sexta-feira, 15 de junho de 2018

11º DOMINGO DO TEMPO COMUM: Tempo de Espera!!!


A sabedoria do povo, ainda que simples e analfabeto, é a expressão da Sabedoria Divina, a encontramos manifestada nas antigas obras de arte, na maneira de tratar a natureza e nos ditados populares. Um destes ditados, diz: "A esperança é a última que morre". Todos nós conhecemos este ditado popular, porém, muitos não pensaram que a esperança é indispensável para a nossa vida, e que, quando ela falta, entra o desespero. A Palavra de Deus deste domingo nos convida a meditar o fundamento da nossa esperança, porque o desespero é o castigo dos que se afastam de Deus.

Começa apresentando-nos a profecia de Ezequiel (Ezequiel 17, 22-24) "Assim diz o Senhor Deus: 'Eu mesmo tirarei um galho da copa do cedro, do mais alto dos seus ramos arrancarei um broto e o plantarei sobre um monte alto e elevado. Vou plantá-lo sobre o alto monte de Israel. Ele produzirá folhagem e dará frutos e se tornará um cedro majestoso. Debaixo dele pousarão todos os pássaros, à sombra de sua ramagem as aves farão seus ninhos. E todas as árvores do campo saberão que eu sou o Senhor, que abaixo a árvore alta e elevo a árvore baixa; faço secar a árvore verde e brotar a árvore seca. Eu, o Senhor, digo e faço". Assim Deus anuncia a sua Igreja, fruto da árvore da cruz plantada na montanha do Calvário, para acolher a todos os que O procuram.

São Paulo (2Coríntios 5, 6-10) nos explica o porque devemos manter sempre viva a nossa esperança. "Irmãos, estamos sempre cheios de confiança e bem lembrados de que, enquanto moramos no corpo, somos peregrinos longe do Senhor; pois caminhamos na fé e não na visão clara. Mas estamos cheios de confiança e preferimos deixar a moradia do nosso corpo para ir morar junto do Senhor. Por isso também nos empenhamos em ser agradáveis a Ele, quer estejamos no corpo, quer já tenhamos deixado esta morada. Aliás, todos nós temos de comparecer às claras perante o tribunal de Cristo, para cada um receber - prêmio ou castigo - do que tiver feito ao longo de sua vida corporal".

Jesus (Marcos 4, 26-34) afirma que precisamos da virtude da esperança para termos segurança e viver em paz. Para que entendamos isto, Ele se serve de duas parábolas: uma pessoal e outra comunitária. Na parábola pessoal, lembra a história do lavrador que prepara a terra, espalha a semente e descansa; espera a semente germinar, a planta crescer e a espiga granar. Ele não entende como tudo isto acontece, mas ele espera ter uma boa colheita. Esta parábola deveria ser meditada para tantos que hoje não plantam porque não acreditam que Deus mandará a chuva necessária.

A dimensão comunitária apresenta-nos com a parábola do grão de mostarda, que é a menor de todas as sementes, mas quando cresce, se transforma numa árvore, onde os passarinhos podem fazer o ninho ou, quem quiser, pode descansar em sua sombra. Esta parábola parece confirmação da primeira leitura. Pode também ser aplicada em cada um de nós que fazemos parte da Igreja de Cristo, e que, quando fomos concebidos no seio da nossa mãe, éramos menores que um grão de mostarda, e, na medida em que crescemos, podemos e devemos acolher a rodos os nossos irmãos do mundo em nosso coração. Assim cumprimos a missão de ser presença de Deus no meio de todas as coisas criadas, nos sentimos realizados e somos felizes.

O mundo que temos é o resultado da nossa falta de esperança.

Monsenhor Antonio




sábado, 9 de junho de 2018

PROGRAMAÇÃO SEMANAL: De 11 a 17 de junho de 2018


SEGUNDA-FEIRA
Missa na Matriz – 19h

TERÇA-FEIRA - Sem programação

QUARTA-FEIRA
Reunião dos Ministros da Eucaristia – Sala da Matriz – 20h

QUINTA-FEIRA
Adoração ao Santíssimo – Matriz - das 6 às 16 horas
Terço da Misericórdia – Matriz – 15h
Missa na Comunidade Santa Rita – 19h

SEXTA-FEIRA – Sem programação

SÁBADO
Missa na Matriz – 19h
Missa em Baguaçu – 19h30
Quermesse no Bairro Rural Lambari – 19h

DOMINGO
Missa na Comunidade Santa Rita – 8h
Missa na Comunidade São Pedro – Jardim Tropical II – 9h30
Missa com as Famílias na Matriz – 10h
Missa na Matriz – 19h (com transmissão pela Rádio Espaço Livre AM)
Devoção das Mil Ave-Marias - Matriz - 12h
____________________________________________________
FRASE DA SEMANA: “Que o medo de falhar nunca supere a vontade de conseguir!”. Pense nisso e viva melhor!!!

10º DOMINGO DO TEMPO COMUM: O Pecado!


Pecado é uma das palavras que nós mais ouvimos na vida. Porém, quando nós paramos para entender em que consiste o pecado, não somos capazes de encontrar uma resposta convincente. Para isto, deverá ter muita influência o fato de ser esta uma das palavras que mais ouvimos quando éramos crianças: "Não faça isto, que é pecado". Depois, na catequese, nos foi dado uma explicação infantil, pensando que, por ser crianças, não éramos capazes de entender, ou que nem o catequista sabia, como muitos adultos desconhecem até hoje, o que é pecado. Por isso, a maioria confunde o pecado com a tentação e com as limitações próprias da natureza humana. Por causa desta ignorância, não conseguimos entender o porquê existe tanta corrupção, tanta fome, tanta violência e morte no mundo. Tudo isto é consequência do pecado que nós não conhecemos, ou não queremos reconhecer. Porém, já neste mundo, o que Deus fez para a nossa felicidade, se está transformando em causa do sofrimento do mundo inteiro. A Palavra de Deus deste domingo nos convida a pensar, porque Jesus morreu para reparar o nosso pecado e devolver-nos a paz.

Nós conhecemos a Primeira Leitura (Gênesis 3, 9-15). Desde crianças aprendemos que este foi pecado que cometeram os nossos primeiros pais, mas ninguém nos disse que este era também o nosso maior pecado. Deus criou um grande jardim com todas as coisas, para que todos tivessem um lugar para morar, viver em paz, e fossem felizes. Por isso, encontramos na Bíblia: "Deus quer a paz para seu povo". Para transformar este desejo em realidade, Ele fez dois pedidos: "Crescei, multiplicai-vos, enchei e cuidai da terra". E "Não comais do fruto da árvore que está no meio do jardim". O primeiro pedido é para que a terra dê os frutos necessários, para que ninguém passe fome. O segundo é para lembrar-nos que todos nós temos os mesmos direitos em todas as coisas criadas por Deus, e que precisamos respeitar os direitos dos outros. Este é o significado da árvore plantada por Deus no meio do jardim. O gesto do homem foi comer desta fruta, desobedecer a Deus e invadir os direitos dos outros.

Nós ouvimos muitas brincadeiras com os frutos que Adão e Eva comeram. Eu, quando era criança, estranhava que por causa de uma maçã, tivessem acontecido tantas desgraças no mundo. Hoje dá para entender. Aquela foi a primeira injustiça contra o direito de Deus, que Ele é o dono de tudo, Ele repete na Bíblia: "A terra é minha". E foi a primeira injustiça contra o próximo, porque Deus criou todas as coisas para todos. E fez a todos nós responsáveis por tudo o que havia criado, para que a terra produzisse todos os frutos para que, não, falte o necessário a ninguém,

A partir deste momento, a injustiça corrompeu o coração do homem. A terra, propriedade de Deus, foi invadida pelos homens que começaram inventando as fronteiras, depois dividiram os Estados em propriedades menores, transformando a terra de Deus e feudo de poucos. Deixando a maioria sem lugar para morar, sendo tratados como escravos, e produzindo, não frutos para todos comer, mas produtos que exigem menos trabalho, e deem mais lucro para o dono. Esta mesma injustiça transforma a vida da maioria dos que se apresentam prometendo servir o seu povo, e, uma vez no poder, só se servem do seu povo, defendem os seus privilégios, e fazem as leis pensando nos seus próprios interesses.

Aquela maçã é o ninho de onde saíram a injustiça, a corrupção, a violência, a fome, e a morte, que aterrorizam o mundo inteiro. Meditando isto, nós reconhecemos qual é o pecado que mata e do qual foi vítima o próprio Jesus.

Quem é livre deste pecado que continua crucificando tantos inocentes?

Monsenhor Antonio


sábado, 2 de junho de 2018

PROGRAMAÇÃO SEMANAL: De 04 a 10 de junho de 2018


SEGUNDA-FEIRA
Missa na Matriz – 19h

TERÇA-FEIRA - Sem programação

QUARTA-FEIRA
Reunião do CPP (Conselho Paroquial de Pastoral) – Sala da Matriz – 20h

QUINTA-FEIRA
Adoração ao Santíssimo – Matriz - das 6 às 16 horas
Terço da Misericórdia – Matriz – 15h
Missa Festiva do Sagrado Coração de Jesus, com entrega de fitas – Comunidade Santa Rita – 19h

SEXTA-FEIRA – FESTA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS
Dia da Santificação do Clero – Reunião do Clero – Casa dos Dehonianos – Cidade Maria – 9h30
Missa no Bairro Rural Santa Cruz – 20h

SÁBADO
Missa na Matriz – 19h
Missa em Baguaçu – 19h30
Bazar do Grupo de Apoio – Portão do Estacionamento da Matriz – 9h

DOMINGO
Missa na Comunidade Santa Rita – 8h
Missa na Comunidade São Pedro – Jardim Tropical II – 9h
Missa com Crianças na Matriz – 10h
Missa na Matriz – 19h (com transmissão pela Rádio Espaço Livre AM)
____________________________________________________
FRASE DA SEMANA: “A vida não dá presentes. Ela distribui merecimentos!”. Pense nisso e viva melhor!!!

sexta-feira, 1 de junho de 2018

9º DOMINGO DO TEMPO COMUM: O Domingo!


"Lembra-te de santificar o sábado". Com estas palavras, tanto no Antigo como no Novo Testamento, Deus nos pede para descansar uma vez por semana. Mas Jesus, ressuscitando no primeiro dia da semana, deu-nos o exemplo de santificar o domingo. Para o povo de Israel, que estava saindo da escravidão do Egito, onde não tinha um dia de descanso, criou-se a regra de que não se podia fazer parte do povo de Deus sem aprender a viver como ser humano, que, como todos os animais, precisa descansar para cuidar da saúde do corpo, para sentir a necessidade de procurar, também, a paz espiritual. Com a sua ressurreição, Jesus nos confirma as duas coisas, igualmente necessárias: o nosso corpo exige momentos de descanso; e o nosso espírito tem sede de segurança, de paz e de felicidade, que, como são atributos divinos, afirmamos que temos sede de Deus. Sobre esta realidade, a Palavra de Deus deste domingo convida-nos meditar por ser indispensável, tanto para o nosso corpo como para a nossa alma.

Na Primeira Leitura (Deuteronômio 5, 11-15) encontramos a passagem onde diz o Senhor: "Guarda o dia de sábado para o santificares, como o Senhor teu Deus te mandou. Trabalharás seis dias e neles farás todas as tuas obras. O sétimo dia é o sábado, o dia de descanso, dedicado ao Senhor teu Deus. Não farás trabalho algum nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu escravo, nem a tua escrava, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem algum dos teus animais, nem o estrangeiro que vive em tua cidade, para que o teu escravo e a tua escrava repousem da mesma forma que tu". Estas palavras mostram-nos, com evidência, o cuidado que Deus tem pela saúde material de todas as suas criaturas.

São Paulo (2Coríntios 4, 6-11) nos ensina que Deus cuida da vida material de todas as suas criaturas e nos oferece, também, todos os dons necessários para a nossa segurança e a nossa paz espiritual, afirmando: "Irmãos, Deus que disse: ‘Do meio das trevas brilhe a luz, é o mesmo que fez brilhar a sua luz: em nossos corações para tornar claro o conhecimento da sua glória na face de Cristo. Ora, trazemos este tesouro em vasos de barro, para que todos nós reconheçamos que este poder extraordinário vem de Deus e não de nós”. E termina a leitura afirmando: "De fato, nós, os vivos, somos continuamente entregues à morte, por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus seja manifestada em nossa natureza mortal". Disto tiramos a conclusão que todos cristãos devemos ser presença de Cristo, para que o mundo possa conhecê-lo por nosso intermédio. Assim como, por ele, conhecemos o Pai.

Jesus (Marcos 2, 23-28) afirma que, ainda que os valores espirituais sejam superiores aos valores materiais, por serem eternos, nós devemos valorizar os dois, porque precisamos deles para o nosso bem-estar e a nossa felicidade. "Jesus estava passando por uns campos de trigo, em dia de sábado. Seus discípulos começaram a arrancar espigas, enquanto caminhavam. Então os fariseus disseram a Jesus: ‘Olha por que eles fazem em dia de sábado o que não é permitido?”. Jesus lhes disse: “Por acaso, nunca lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando passaram necessidade e tiveram fome? Como entrou na casa de Deus, no tempo em que Abiatar era sumo sacerdote, comeu os pães oferecidos a Deus e os deu também aos seus companheiros? No entanto, só aos sacerdotes é permitido comer esses pães”. Depois Jesus entrou na sinagoga. Havia ali um homem com a mão seca. E perguntou-lhes: “É permitido no sábado fazer o bem ou fazer mal?". Como eles nada disseram, disse ao homem: "Estende a mão". Acrescentou: "O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado".

Monsenhor Antonio




terça-feira, 29 de maio de 2018

CORPUS CHRISTI: Cristo caminha conosco!!!


Encontramos, no folheto desta quinta-feira, anunciada a festa do Corpo e do Sangue de Cristo. De fato, foi isto que ele celebrou na quinta-feira santa e que hoje lembramos, com muita gratidão, porque esta é a maior prova de que ele nos ama. Porém, o mais importante deste dia, é que ele nos dá a certeza de que continua caminhando conosco. Não só para abençoar. os nossos lares, mas para que sintamos que ele deseja estar sempre presente em nossas casas, fazer parte das nossas famílias. E para nos ajudar em todos os momentos, como fez durante todo o tempo que ele esteve na terra, e que garantiu continuar, como prometeu: "Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos". Quando ele não está e porque nós recusamos a sua presença, e, principalmente os nossos filhos, sofrem as consequências.

A nossa desgraça está em que, mesmo conhecendo estas palavras, sabendo tudo o que ele fez por nós, e tendo a certeza de que ele é sempre fiel às suas promessas, nós ainda não acreditamos nem permitimos que ele esteja presente em nossas famílias, nem nos momentos mais difíceis. E ainda reclamamos que ele se esqueceu de nós, sendo que fomos nós que o excluímos da nossa convivência. Por isso, hoje ele nos lembra que continua presente no meio de nós, na pequena hóstia consagrada, e é levado pelas ruas das nossas cidades para que nós nunca nos esqueçamos do que ele fez para a nossa salvação, e do que prometeu fazer para que as nossas famílias consigam viver em paz e ser felizes, ao prometer: "Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos". A vida das nossas famílias seria totalmente diferente se deixássemos que esta promessa se transformasse em realidade. Tudo depende de nós acreditarmos nas palavras de Jesus e permitir que ele participe da nossa família.

Esta é a razão do porquê, desde o ano 1963, a nossa paróquia de São João Batista enfeita as ruas da cidade, como gesto de homenagem e de gratidão. E, julgando pelo carinho com são preparados os trabalhos e como é realizada a procissão, a gratidão do povo está aumentando. Falta, porém, o que é mais importante para nós: permitir que ele faça parte de todas as nossas famílias, para que exista nelas mais união, mais fidelidade e paz.

Hoje, todos nós sentimos como as famílias estão precisando desta presença. Ninguém imaginava ser obrigado a presenciar a falta de amor, de fidelidade, e de respeito que existe dentro de muitas famílias e nem imaginar a situação em que se encontram hoje muitos jovens e até crianças. É muito triste ver tantos jovens escravos das drogas, do sexo, e da violência; crianças matando ao seu coleguinha; ou filhos matando seus pais por interesses materiais. Isto é prova de que Deus não consegue estar presente na vida destas famílias.

Muitos estão esquecendo-se de que o mesmo Jesus que prometeu: "Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos", nos alerta em outro lugar: "Sem mim nada podeis fazer." Nós teimamos em prescindir dele, e o resultado é a triste realidade que somos obrigados a presenciar todos os dias.

HOJE DEUS NOS GARANTE QUE PODEMOS CONTAR COM ELE!

Monsenhor Antonio